BRASIL PRA FRENTE

BRASIL PRA FRENTE!
O RIO DE JANEIRO DE PÉ PELO BRASIL!





















terça-feira, 26 de novembro de 2013

Requião contesta afirmação do governo sobre sucesso do leilão dos aeroportos

O senador Roberto Requião (PMDB-PR) disse que o leilão dos aeroportos não foi tão bem sucedido como afirma o  governo. O senador chamou a atenção para o fato de que o governo não disse, por exemplo, que o ágio de R$ 20,8 bilhões dos aeroportos do Galeão, no Rio de Janeiro, e de Confins, em Minas Gerais, só vai entrar nos cofres da União em 25, 30 anos.
Requião disse também que o grupo que ficou com o Galeão, liderado pela construtora Odebrecht, foi beneficiado pelas regras do leilão, vai contar com financiamento a juros baixos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Socias (BNDES) e vai pagar a União com o dinheiro das taxas de embarque e do aluguel dos espaços comerciais dos aeroportos.
Quem vai pagar isso é o usuário e o recebimento dos aluguéis, as taxas internas do aeroporto. É um sucesso, mas é um mau sucesso. Mas, acima de tudo, é uma mistificação. A União não vai ganhar nada com isso. A União vai doar os aeroportos do Brasil, assim como já fez com o petróleo de Libra, como pretende fazer com os próximos leilões de petróleo, como fez com os portos, como está fazendo com o pedágio das estradas - protestou o senador.
Requião disse que, o que ocorreu foi, na verdade, uma "ação entre amigos", porque o empresário privado "passa a ser dono do shopping" e vai se ressarcir de tudo o que tiver que pagar e mais o seu lucro por meio de taxas de embarque e de aluguéis.
- Então, quem vai pagar, na verdade, somos nós. E ele vai superfaturar a construção, que será feita pela sua própria empresa. Então, ele ainda vai ganhar algum dinheiro com esse financiamento do BNDES e o dinheiro da Infraero - disse.
O senador também protestou contra o que chamou de "mandraquice" no fim do leilão:

- Proibiu-se que empresas participassem desse leilão com mais de 15% se estivessem participando de outros leilões. Então, isso deu à Odebrecht a condição de participar sozinha, uma ação entre amigos que será paga pela taxa de embarque e pelos juros baixos do BNDES - afirmou o parlamentar, acrescentando que não houve "nada de significativo em benefício da União".
Agência Senado


Nenhum comentário: