BRASIL PRA FRENTE

BRASIL PRA FRENTE!
O RIO DE JANEIRO DE PÉ PELO BRASIL!





















quinta-feira, 26 de novembro de 2015

China analisa "com prudência" envio de tropas para combater terrorismo


"O Ocidente e a Rússia aumentam a luta contra o Estado Islâmico (EI) após os ataques de Paris. Enquanto isso, um refém chinês foi morto pelo EI e três funcionários chineses morreram no ataque terrorista em Mali", Artigo de opinião do jornal chinês Global Times.


China ainda avalia se lutará contra o Estado IslâmicoChina ainda avalia se lutará contra o Estado Islâmico
Nesta circunstância, tem sido frequentemente levantada tanto a nível nacional como a nível mundial quanto ao fato da China se juntar a outros países na luta contra o EI. O Ministério das Relações Exteriores da China, evitou uma resposta direta à pergunta, o que é tomado por muitos como também significando atitude da China .

Será uma grande decisão política significativamente se a China enviar tropas para o Oriente Médio ou realizar ataques de precisão à distância.

Apesar das elevadas expectativas do Ocidente para a participação da China, o governo chinês vai ser extremamente prudente na tomada de tal decisão. O Ocidente quer tomar a China para combater conjuntamente contra o EI, uma vez que continua a ser o dominador a este respeito. Isso pode ajudar a China a moldar uma imagem positiva na opinião pública internacional e abrir uma nova plataforma para o Ocidente sobre comunicação política e cooperação.

Mas isso pode levar a uma série de riscos para a China suportar, o que pode evoluir para custos em realidade. A China não está totalmente preparada para as operações militares. Não ter se engajado em batalhas por muitos anos e pode achar que é difícil obter o apoio público total, se as suas tropas lutarem no distante Oriente Médio e mais incertezas irão surgir.

Até agora, o Ocidente não reconheceu a China como uma vítima do terrorismo. Ultimamente, a opinião ocidental ainda não aceita os incidentes na Região Autônoma de Xinjiang como atos terroristas. Se a China entra em cena para combater o EI, este poderá pedir aos seus terroristas domésticos para participar de grupos internacionais.

Neste caso, se o Ocidente mexer-se, a China terá de lidar com a complexa situação sozinho. A China tem que estar ciente de que o movimento antiterrorismo tende a ser motivado pelos interesses de alguns países participantes. Uma aliança antiterror competente precisa ser formada no quadro da ONU.

A ONU deve definir explicitamente o terrorismo e fazer um plano coordenado de combate ao terrorismo. Depois dos atentados de Paris, a China e a Rússia votaram contra uma resolução da ONU sobre a Síria, o que tornaria o governo sírio o alvo principal.

No entanto, eles votaram em uma recente resolução do Conselho de Segurança da ONU que admitiu a legitimidade da luta contra o EI. A incoerência indica a complexidade da situação no Oriente Médio e a China não precisa se envolver ativamente.

A China tem de participar de forma proativa em operações internacionais de combate ao terrorismo, mas enquanto isso, tem que fazer contribuições com base em sua capacidade.


http://www.vermelho.org.br/

Nenhum comentário: