BRASIL PRA FRENTE

BRASIL PRA FRENTE!
O RIO DE JANEIRO DE PÉ PELO BRASIL!





















quinta-feira, 5 de junho de 2014

Globo descobre porque Barbosa saiu!


ajusticeiradeesquerda.blogspot.com.br
Por Miguel do Rosário, no blogO Cafezinho:

Eu deixei passar essa porque, sinceramente, não quis acreditar no que estava lendo, ainda mais partindo de uma das poucas profissionais do Globo que eu ainda gosto.

Mas aí vem o Kiko Nogueira estragar tudo e me fazer dar umas boas gargalhadas numa tarde chata.

Só queria acrescentar uma coisa: o Globo está virando jornal de adolescente. Tem uma matéria hoje no jornal impresso dizendo que Barbosa “confirma ameaças”. Ué? O Globo deu capa dois dias a isso e não tinha confirmado antes?

Aí a gente vai ver a “confirmação” e tem lá apenas o seguinte:

Hoje, ele confirmou que sofreu ameaças recentemente, conforme noticiou a revista “Veja”. Mas minimizou o peso desse fato na decisão de antecipar sua aposentadoria.

- Imagina! – respondeu, perguntado se as ameaças tinham influenciado sua atitude.a

Coitado do Barbosa! Virou mesmo um personagem de novela da Globo. Ele fala “imagina”, ou seja, negando que tenha saído por ameaças, o que teria sido covardia indescritível de sua parte, e o Globo faz uma matéria inteira dizendo que ele confirma que recebeu ameaças mas que “minimizou o peso desse fato na decisão” de pendurar as chuteiras.

Os editores do Globo estão ficando meio burros ou é impressão minha? No desespero de encontrar uma explicação para a derrota moral de Barbosa, que é a causa real de sua saída, eles inventam que o ministro saiu por medo de “ameaça”. E isso porque alguém disse a alguém que disse a outro que ele recebeu um telefonema…

Olha, nem eu, que talvez seja o blogueiro que mais criticou Barbosa nos últimos tempos o acusaria de ser um covarde. Só falta essa! Um juiz abandonar um cargo vitalício porque recebeu uma ameaça por telefone… E ainda mais no caso de Barbosa. Quem o ameaçaria? Um amigo de Genoíno? Ora, tenha dó!

Agora, essa matéria da Flavia Oliveira chamando Barbosa de “guerreiro de Ogum” é outra prova do desespero. Atribuir a um presidente do STF, a figura que deveria se guiar pela mais pura racionalidade, humanismo e valores democráticos, a característica de uma entidade religiosa, é o cúmulo do culto à personalidade e da mistificação.

Mas aí deixo vocês com o Kiko, que escreveu uma crônica simples e divertida sobre o novo esforço da Globo de criar uma aura mística para Barbosa.

*****

Joaquim Barbosa, guerreiro de Ogum

Por Kiko Nogueira, no Diario do Centro do Mundo

Coube ao Globo, em duas matérias ontológicas, “explicar” a aposentadoria de Joaquim Barbosa, o personagem que ajudou a criar e cuja trajetória precisava de um desfecho menos decepcionante.

A primeira é uma tentativa de vitimizar JB. Aplicando a técnica do jornalismo declaratório, mas sem dar crédito a quem teria criado a teoria (vale lembrar a reportagem sobre o contínuo do advogado que falou com alguém que ouviu de uma pessoa que Marcelo Freixo alguma coisa), a saída de Barbosa foi “precipitada pelas ameaças que ele vem sofrendo”.

“Ele estava cansado, quer viver a vida. Estava muito patrulhado, se sentia agredido com palavras, com provocações. Me disse: ‘Tô precisando viver’”, teria dito um amigo, cuja impressão virou fato.

A conclusão é que Barbosa teria vazado por medo. Se o presidente do STF prefere sair correndo diante de “ameaças” no Facebook, o que seria de você diante dessas circunstâncias? Para que serve o sistema judiciário? Ao tentar transformar Barbosa numa vítima, a história o retrata como um covarde. Mas a coisa não termina aí.

Também de acordo com o Globo, Joaquim Barbosa foi embora porque é filho de Ogum. Sim, filho de Ogum. “A mitologia dos orixás conta que Ogum ajudou na criação do mundo com instrumentos de ferro, que abriram caminhos e viabilizaram a agricultura. Como recompensa, lhe foi oferecida a coroa de Ifé”, diz um artigo. “Ogum recusou o reino. Em vez de ter súditos, preferia caçar e guerrear. Foi, então, viver sozinho, a caminhar pelas estradas”.

A loucura continua, agora à la Mestre Yoda: “É guerreiro incansável Joaquim Barbosa. O combate o alimenta”. “Joca” já teria contado aos mais próximos (?!?) que não ficaria mais tempo no Supremo. “Poderia ganhar mais uma batalha. Ou perder. Preferiu sair de cena. E confirmar o mito do orixá que não esquenta lugar. Ogum segue adiante, para caçar e guerrear em outras bandas. E onde chegar, é certo, demanda haverá”.

Desde o juiz carioca que afirmou, numa sentença, que manifestações religiosas afro-brasileiras não são religiões se prestou um serviço tão caro contra a umbanda e o candomblé.

Enquanto JB não faz as malas, o CNJ, ainda presidido por ele, continua em campanha. Uma questão foi postada nas redes sociais oficiais da entidade: “Seu mandato como presidente da Corte terminaria em novembro próximo. Na sua opinião, qual o maior destaque na atuação do ministro?”

A personalização da gestão de Joaquim Barbosa está ali, cristalizada. Talvez os autores da enquete não esperassem a intensidade da reação contrária, mas a resposta “a aposentadoria” foi a mais gentil para esse guerreiro de Ogum.

Nenhum comentário: