BRASIL PRA FRENTE

BRASIL PRA FRENTE!
O RIO DE JANEIRO DE PÉ PELO BRASIL!





















segunda-feira, 2 de junho de 2014

"Fui um quadrilheiro, um gangster para o capitalismo."





Passei 33 anos e quatro meses no serviço ativo, como membro da mais ágil força militar do meu país - o Corpo de Fuzileiros Navais. Servi em todos os postos, desde segundo-tenente a general. E, durante tal período, passei a maior parte de meu tempo como guarda-costas de alta classe, para os homens de negócios, para Wall Street e para os banqueiros. Em suma, fui um quadrilheiro, um gangster para o capitalismo. [...] Foi assim que ajudei a transformar o México, especialmente Tampico, em lugar seguro para os interesses petrolíferos americanos, em 1914. Ajudei a fazer de Cuba e Haiti lugares decentes para que os rapazes do National City Bank pudessem recolher os lucros. 

Eu ajudei a estuprar meia dúzia de repúblicas da América Central em prol dos lucros de Wall Street [...] Ajudei a "limpar" a Nicarágua para os interesses da casa bancária internacional dos Brown Brothers, em 1909-1912

Trouxe a luz à Republica Dominicana para os interesses açucareiros norte-americanos em 1916. Ajudei a fazer de Honduras um lugar "adequado" às companhias frutíferas americanas, em 1903. Na China, em 1927, ajudei a fazer com que a Standard Oil continuasse a agir sem ser molestada. Durante todos esses anos, eu tinha, como diriam os rapazes do gatilho, uma boa quadrilha. Fui recompensado com honrarias, medalhas, promoções. Voltando os olhos ao passado, acho que poderia dar a Al Capone algumas sugestões. O melhor que ele podia fazer era operar em três distritos urbanos. Nós, os fuzileiros navais, operávamos em três continentes.

Em 1933, se envolveu em uma polêmica conhecida como Business Plot, quando afirmou a um comitê do Congresso que um grupo de ricos industriais estavam planejando um golpe militar para derrubar Franklin D. Roosevelt. Butler seria designado para liderar um exército de 500.000 homens e assassinar Roosevelt para instalar um estado fascista nos Estados Unidos. Ele recusou esse papel e denunciou a conspiração. De acordo com Butler, os mandantes da conspiração eram pessoas de Wall Street, da família DuPont, magnatas da Standard Oil, da General MotorsChase National BankGoodyearPrescott BushNational City Bank e JPMorgan Chase.6 Os envolvidos negaram a existência de uma conspiração, e a mídia contemporânea não deu crédito ao complô, afirmando que Butler havia disseminado uma grande mentira.

Smedley Darlington Butler - general dos EUA

Nenhum comentário: