BRASIL PRA FRENTE

BRASIL PRA FRENTE!
O RIO DE JANEIRO DE PÉ PELO BRASIL!





















sábado, 27 de julho de 2013

Até a "oligarquia" é beneficiada com médicos cubanos, diz vice venezuelano


Jorge Arreaza lembrou a reação negativa à ida de profissionais de saúde da ilha caribenha à Venezuela 


Por Luciana Taddeo no Opera Mundi

O vice-presidente da Venezuela, Jorge Arreaza, afirmou na noite desta quarta-feira (24/07) que apesar da resistência à contratação de médicos cubanos, até a “oligarquia” é beneficiada com o atendimento dos profissionais desta nacionalidade nos postos médicos públicos do país, conhecidos como CDIs (Centros de Diagnósticos Integrais). 

“Como foram duros a oligarquia venezuelana e os meios de comunicação privados, com o comandante [Hugo] Chávez, porque (...) decidiu estreitar a sua máxima expressão as relações com Cuba”, disse Arreaza. “Vocês lembram como falavam da ‘cubanização’ [da Venezuela]? (...como se metiam com os médicos cubanos? Depois eles são vistos indo aos CDIs que ficam perto das urbanizações de classe média, para ser atendidos. E saem felizes, porque são bem tratados”, manifestou. 

Segundo Arreaza, os médicos cubanos podem ser vistos “em qualquer cidadezinha da Venezuela, por mais longe que seja este povoado, nas planícies ou na floresta amazônica, aí está um companheiro ou uma companheira cubana, sempre à frente do processo de solidariedade com nosso povo, com os mais humildes”, expressou, num evento de abertura do 7º Encontro Continental de Solidariedade com Cuba. 


O vice-presidente venezuelano também ressaltou a atuação dos profissionais cubanos ao redor do mundo, como em países africanos e no Haiti. “O Haiti é a primeira pátria livre da nossa América Latina, com a qual temos uma imensa dívida, e Fidel [Castro] tem clareza disso e por isso tem missões médicas cubanas no Haiti há muitos anos”, disse, complementando que é possível encontrar doutores desta nacionalidade "em qualquer país". 

Alfabetização 

Além da atuação de profissionais de saúde, Arreaza também recordou a resistência ao “Yo sí puedo”, programa criado em 2003 pelo governo cubano para a alfabetização de adultos iletrados. “Como se meteram com a Missão Robinson, diziam que era mentira, que assim não se podia aprender”, disse sobre a campanha implementada em seu país com o método de alfabetização cubano, que fez com que, em um ano, 1,5 milhão de pessoas aprendessem a ler e escrever. Em dezembro de 2005, a Unesco decretou que o analfabetismo havia sido erradicado da Venezuela. 

Para o vice, é “um milagre” que, apesar do bloqueio econômico promovido pelos Estados Unidos contra a ilha caribenha, médicos cubanos estejam atuando há anos no Haiti. “Cuba é um país oprimido, localizado a poucas milhas do maior e pior império que a humanidade conheceu, e no entanto, se manteve incólume, firme, com dignidade suprema e conseguiu não só continuar, como levar solidariedade a outras partes do mundo. Ou por acaso não é um milagre encontrar um médico cubano no Haiti?”, expressou o vice venezuelano.

Nenhum comentário: