BRASIL PRA FRENTE

BRASIL PRA FRENTE!
O RIO DE JANEIRO DE PÉ PELO BRASIL!





















domingo, 14 de junho de 2015

A ditadura do capital financeiro: Grécia e Ucrânia


13 de junho de 2015
Como a Grécia oscila à beira da falência, funcionários da União Europeia estão apertando os parafusos no país endividado.
Eles estão exigindo que a Grécia pagar suas dívidas e outras pensões de barra como uma pré-condição para novos empréstimos. Eles responderam ao breve atraso do Syriza em reembolsar € 300.000.000 por ameaçando cortar o crédito para a Grécia e empurrar seu sistema de estado e financeira em falência. Isto poderia forçar a Grécia a reintroduzir sua própria moeda nacional para evitar um colapso de seus bancos e até mesmo colocar em movimento a dissolução do euro e da própria UE.



Berlim está a adoptar uma "linha-dura", take-it-or-leave-lo "abordagem", escreveu o Financial Times de ontem, citando zona oficial 1 € que disse: "A única resposta que eles estão procurando desde os gregos é dizer 'sim'. "
Como o Fundo Monetário Internacional e do Banco Central Europeu saiu conversas com autoridades gregas, Donald Tusk, o ex-primeiro-ministro polonês e atual presidente do Conselho Europeu, disse: "Precisamos de decisões, e não negociações, agora."
É instrutivo comparar o tratamento da Grécia com a de outro país à falência, Ucrânia. Na mesma edição, como o artigo citando autoridades europeias sobre a Grécia, o Financial Times tem um editorial exigindo uma política diametralmente oposta na Ucrânia, convidando os credores a perdoar muito de sua dívida.
Credores da Ucrânia, o Financial Times escreve, tem uma "obrigação moral de concordar com uma reestruturação que reduz dívida da Ucrânia para níveis sustentáveis." Se os credores da Ucrânia recusar-se a chegar a um acordo, o jornal declara: "A Ucrânia é direito de levantar a possibilidade de declarar uma moratória sobre o serviço da dívida. "Ou seja, o governo de Kiev seria direito de atrasar os pagamentos aos seus credores, como a Grécia fez brevemente o FMI, ou mesmo cancelá-las completamente.
Por que a voz jornalística de cera Europeu capital financeiro lírico em uma "obrigação moral" para ajudar o regime Kiev ao mesmo tempo que não exige que se siga o estrangulamento financeiro da Grécia?
"Protelando colapso grego é vital para a estabilidade da zona do euro, mas a sua importância estratégica é ofuscado pelo que da Ucrânia", o Financial Times explica. Apontando para o papel do regime Kiev na luta contra a "guerra por procuração" contra a vizinha Rússia no leste da Ucrânia, o jornal acrescenta: "Em um problema de tal magnitude geopolítica, interesses financeiros privados podem não ser autorizados a ditar a política pública".
Por trás da aparente contradição no tratamento da Grécia e Ucrânia estão os interesses de classe reacionários do capital financeiro nos principais potências imperialistas, que são prosseguidos com determinação implacável.
Regime de extrema-direita da Ucrânia é uma peça-chave na campanha de Washington e da NATO para uma vasta acumulação de militares em toda a Europa, ameaçando uma guerra contra a Rússia. Foi instalado em um putsch US- e patrocinado pela UE, liderada por milícias fascistas, para servir como a pata do gato de uma campanha imperialista para obrigar Moscou a aceitar um status semi-colonial.
Uma vez que os salários uma guerra civil sangrenta contra as forças pró-russos no leste da Ucrânia, o governo de Kiev está cortando empregos e subsídios públicos, reabilitar o legado das forças nazi-colaboracionistas da Ucrânia II Guerra Mundial, e proibindo menção pública da Revolução e do comunismo outubro. Os governos imperialistas estão bem cientes de que, se milhares de milhões de euros são entregues a Kiev, a totalidade da soma será gasto na guerra. Nem um centavo irá para trabalhadores ucranianos.
Não existem tais considerações geo-estratégicos, quando se trata do regime na Grécia. Funcionários da UE conhecem os dirigentes do partido governista da Grécia, Syriza (Coalizão da Esquerda Radical), bem demais para considerá-los como uma ameaça revolucionária. No entanto, Syriza foi eleito com base em ampla oposição popular a seis anos de austeridade da UE e aos partidos tradicionais do país do governo, que tinham implementado cortes selvagens.
Os bancos europeus estão a tentar deixar claro em relação à Grécia que não vai tolerar quaisquer concessões a oposição popular à austeridade. O saque de milhares de milhões de euros a partir de trabalhadores vai continuar, não importa o que.
A experiência dos cinco meses desde a eleição do Syriza em janeiro contém lições importantes para a classe trabalhadora grega e internacional. Ele tem vindicado a advertência do Comitê Internacional da Quarta Internacional (CIQI), que só a luta para unificar a classe trabalhadora internacionalmente e mobilizá-la na luta revolucionária contra o capitalismo oferece um caminho a seguir.
Syriza assumiu o poder, alegando que um acordo poderia ser alcançado com a UE, e que as queixas dos trabalhadores gregos poderiam ser abordadas no quadro do capitalismo, o imperialismo ea União Europeia. Na medida em que Syriza teve um esquema para modificar um pouco agenda de austeridade da UE, que era de explorar as tensões entre Berlim, a principal potência da promoção de políticas de austeridade da UE e Washington e outras capitais europeias que favoreçam uma política monetária mais estimulante.
Ele não fez nenhum apelo à raiva explosiva contra a austeridade se acumulando na classe trabalhadora na Alemanha, Grã-Bretanha, França, em toda a Europa e os EUA. Em vez disso, ele se alinhou com a política externa do imperialismo, recusando-se a vetar sanções da UE contra a Rússia e cinicamente abandonar a sua eleição promete reverter a austeridade, a assinatura de um compromisso dentro de semanas de assumir o cargo a cumprir acordos de austeridade da UE anteriores da Grécia.
Demorou Syriza nenhum momento a todos para demonstrar a falência de sua perspectiva anti-marxista, enraizada no interesse dos setores mais privilegiados da classe média-alta. Os Estados Unidos, a Grã-Bretanha ea França não levantar um dedo para ajudar a Grécia. Syriza foi rapidamente exposto como um instrumento político para a subordinação da classe trabalhadora a uma ordem social falida.
Os cortes continuam a chover sobre a classe trabalhadora grega, cujos padrões de vida estão sendo definidas para trás décadas. Visitando Berlim quinta-feira, o ministro das Finanças grego Yanis Varoufakis feito claro compromisso de seu governo até para novas concessões aos bancos europeus. Ele chamou de "cirurgia" para reduzir as pensões gregas, dizendo: "Temos de encontrar formas de eliminar reformas antecipadas, de fundir fundos de pensões, de reduzir os seus custos operacionais, de passar de uma insustentável para um sistema sustentável, racional e gradual."
Nesse meio tempo, a unidade de guerra imperialista contra a Rússia continua a crescer, com autoridades dos EUA e da NATO organizar exercícios militares em toda a Europa Oriental e ameaçando ataques com mísseis preventivos contra a Rússia. Guerra mundial é cada vez mais claramente na agenda política.
O que está em jogo é o futuro não só da Grécia, mas de toda a Europa e todo o mundo. A sobrevivência do capitalismo e da ordem imperialista mundial a que dá origem representa perigos iminentes para a classe trabalhadora e para a própria civilização humana.
Esta perspectiva está na base da luta do CIQI para construir seções em países de toda a Europa que irá lutar para mobilizar a classe trabalhadora para a derrubada do capitalismo eo estabelecimento de Estados Unidos Socialistas da Europa.
Alex Lantier
http://translate.google.com.br/

Nenhum comentário: