BRASIL PRA FRENTE

BRASIL PRA FRENTE!
O RIO DE JANEIRO DE PÉ PELO BRASIL!





















sábado, 16 de maio de 2015

Sob tutela de Levy, Câmara aprova MP 664 e, mais uma vez, age contra os trabalhadores

MP 664 E1431617561343


O único item excluído, o prazo de 30 dias para o auxílio-doença, beneficia apenas os patrões
Na noite de ontem, 13 de maio, dia da abolição da escravatura, o Plenário da Câmara dos Deputados aprovou a Medida Provisória 664, que restringe o acesso à pensão por morte. O único item retirado do texto aprovado foi o que diz respeito ao prazo para requisição do auxílio-doença, que – pela proposta do governo aumentaria para 30 dias o prazo para o INSS começar a arcar com o pagamento do trabalhador afastado. Esta única exclusão mantém o prazo em 15 dias, o que, segundo a CSB, beneficia apenas os empresários.
Em uma sessão marcada novamente por manifestações de parlamentares contrários à Medida, o texto da MP foi aprovado por 277 a favor e 178 contra. Com as novas regras, só receberá a pensão por morte o cônjuge que teve, no mínimo, dois anos de casamento ou união estável. Além disso, o falecido deve ter contribuído pelo menos 18 meses com a Previdência. O conjugue viúvo só receberá a pensão de maneira vitalícia se tiver mais de 44 anos de idade; os mais jovens recebem apenas por um tempo determinado, que varia de 3 a 20 anos. Nas regras atuais, não há idade mínima nem tempo de contribuição, e o benefício é vitalício independente da idade.
O presidente da CSB, Antonio Neto, afirma que os novos obstáculos criam o chamado “fator previdenciário para as viúvas”, o que, segundo ele, representa um crime contra os trabalhadores. “Quem vai sofrer mais com essa Medida é a classe operária. E as mulheres serão as mais atingidas. Por exemplo, uma mulher que não tiver filhos receberá apenas 50% da pensão que seu marido teria direito. As mulheres estarão desamparadas”, contestou.
Uma emenda no texto aprovado faz referência à mudança no fator previdenciário, cálculo utilizado hoje para a concessão de aposentadorias. Atualmente, este sistema reduz o valor do benefício de quem se aposenta por tempo de contribuição antes de atingir 65 anos (homens) ou 60 anos (mulheres). O tempo mínimo de contribuição para aposentadoria é de 35 anos para homens e de 30 para mulheres.
A alteração aprovada pelos deputados propõe a fórmula 85/95, pela qual o trabalhador se aposenta com vencimento integral se a soma da idade e do tempo de contribuição resultar 85 para mulheres ou 95 para os homens. O governo, entretanto, já se manifestou dizendo que vetará a emenda assim que a MP 664 chegar ao Planalto.
Segundo o presidente da CSB, o sistema previdenciário brasileiro teve um superávit de R$ 76 bilhões. Para Neto, se o governo quer cortar gastos, é preciso que haja cobrança sobre as grandes fortunas e uma fiscalização mais eficiente da evasão de divisas. “O déficit orçamentário do governo federal não está na seguridade social. Diante deste cenário, e da projeção de veto à emenda do fator previdenciário, nada, simplesmente nada há de benéfico nessa Medida Provisória. Mais uma vez os trabalhadores vão pagar uma conta que não é deles”, criticou Antonio Neto.
Veja a tabela com as novas regras da pensão por morte:
- 3 anos de pensão para cônjuges com menos de 21 anos de idade.
– 6 anos de pensão para cônjuge com idade entre 21 e 26 anos.
– 10 anos de pensão para cônjuge com idade e entre 27 e 29 anos.
– 15 anos de pensão para cônjuge com idade entre 30 e 40 anos.
– 20 anos de pensão para cônjuge entre 41 e 43 anos.
– Pensão vitalícia para cônjuge com mais de 44 anos.
http://csbbrasil.org.br/

Nenhum comentário: